2017: Um “Sinal de Alerta” para a Indústria de Carne

Este ano foi um “alerta para o setor de proteína animal” – e isso de acordo com a própria indústria de carne. Agora que a indústria está desperta, não está perdendo tempo de embarcar no futuro da proteína de origem não animal. Apoiada pelas maiores empresas produtoras de carnes do mundo, pela demanda do consumidor e pela inovação tecnológica, a carne limpa e à base de vegetais está passando por um momento “zeitgeist”.

Livros inteiros poderiam ser escritos sobre os desenvolvimentos e implicações dessas inovações sustentáveis (psiu! e psiu!), mas nós condensamos os maiores sucessos para o seu deleite de ler. Junte-se a nós em uma viagem pelos maiores momentos em inovação de alimentos deste ano, culminando em nossas principais escolhas das últimas notícias do setor!

 

Esse é o fim da indústria da carne e o começo da indústria de proteínas.

Não posso começar essa discussão sem antes mencionar e se maravilhar com a seguinte manchete da Fox News:

[CEO da Tyson Foods: O Futuro da Alimentação Pode ser Sem Carne.]

Isso mesmo, uau! 

Para adicionar algumas nuances, o CEO da Tyson, Tom Hayes, achava que haveria produção de carne no futuro da Tyson – não necessariamente de origem animal. Hayes prevê que em 25 anos, cerca de 20% da produção de carne será limpa ou à base de vegetais, o que outros líderes do setor – incluindo um porta-voz da General Mills – consideram uma estimativa baixa! Para confirmar sua confiança neste quesito, a Tyson aumentou seu investimento na empresa de proteína vegetal Beyond Meat.

Ao mesmo tempo, a Maple Leaf, maior produtora de carne do Canadá, movimentou-se para se estabelecer como a empresa de proteína mais sustentável do mundo adquirindo a Lightlife e a Field Roast.

Para não ficar para trás, a Nestlé, líder do setor, adquiriu a Sweet Earth Foods.

Depois de vender o último de seus confinamentos de gado, a Cargill se tornou a primeira grande empresa de carnes a investir em uma startup de carne limpa.

E de acordo com a Global Meat News, nada menos que 10 processadores globais de carne estão em negociações com a Hampton Creek para licenciar sua tecnologia de carne limpa.

A mensagem é óbvia: a indústria de carne sabe que precisa se adaptar o mais rápido possível ao futuro da proteína de origem não animal ou ficarão para trás.

Como resumo de outras atividades de fusões e aquisições no setor, e uma análise do que isso significa para o futuro das empresas de carnes de origem vegetal, especificamente, clique aqui.

 

O Novo Movimento de Carne Ganhou Status de Celebridade

O Google pode ter lançado um programa para tornar os vegetais mais populares que a carne, mas, ao contrário de mim no ensino fundamental, as proteínas alternativas não precisavam de muita ajuda para ser a “criança” mais legal do mundo. Juntamente com um influxo de investimentos, lançamentos de produtos e com a atenção do consumidor, tanto as startups de carne limpa quanto as de carne à base vegetais adicionaram um número de amigos célebres à suas equipes este ano.

Leonardo DiCaprio fez uma parceria oficial de longa data com a Beyond Meat com um investimento (para o qual dissemos “uau”). Falando em Titanic, o diretor vencedor do Oscar, James Cameron, e sua esposa Suzy Amis Cameron, inauguraram a maior fábrica de proteína de ervilha da América do Norte, que será usada para desenvolver alimentos à base de vegetais e engajar jovens empreendedores e agricultores no crescente mercado de proteínas alternativas.

E não podemos nos esquecer do Richard Branson, que – ao lado de Bill Gates – investiu na pioneira Memphis Meats, empresa inovadora de produção de carne livre de abate animal, e se tornou um defensor de alimentos saudáveis, humanos e sustentáveis:

Esses endossos da lista de celebridades são mais do que uma isca divertida de manchete; Eles apontam para a onda de demanda por proteínas alternativas do consumidor comum que está impulsionando o sucesso desse segmento de mercado.

Até agora, um novo estudo do Sentience Institute descobriu um nível significativo de consenso contra os atuais métodos de produção de carne entre os consumidores dos EUA, a maioria dos quais disse que escolheriam carne limpa em vez de alternativas convencionais quando atingisse a paridade de preços.

Ao mesmo tempo, as vendas de alternativas à base de vegetais para produtos de origem animal têm aumentado de forma generalizada. Verifique os dados que a GFI coletou da Nielsen:

Essa convergência na conscientização sobre os danos da pecuária industrial e a disponibilidade de melhores alternativas fez de 2017 o ano em que os consumidores abraçaram o futuro da alimentação livre de animais.

 

Ganhando o Mundo Todo

Os mercados internacionais endossaram bastante as proteínas alternativas este ano, sendo que a carne à base de vegetais ganhou o título de “Megatendência n.o 1″ no mundo todo!

[Mais a respeito no The Guardian, com a participação da Diretora de Engajamento Corporativo da GFI, Alison Rabschnuk]

Enquanto os EUA permaneciam como um foco de inovação, produtos foram lançados e empresas inauguradas em todo o mundo para construir um suprimento de alimentos mais sustentável.

Com o apoio da GFI, a Good Dot foi inaugurada na Índia para reverter a tendência do país em relação ao consumo de carne e interromper o trajeto da industrialização da pecuária. E na Nova Zelândia, o frango à base de vegetais da Sunfed chegou às prateleiras dos mercados, onde está sendo vendido e ganhando força desde então!

 

 

Parece delicioso, Good Dot!

Empresas sediadas nos EUA também expandiram suas fronteiras, com a Beyond Meat estreando em Hong Kong e a Impossible Foods anunciando planos de expansão para a Ásia o mais rápido possível.

Isso é tudo apenas no reino da produção de carne à base de vegetais. Este ano também foi um marco para a indústria de carne limpa. No início de 2017, havia apenas quatro empresas explorando publicamente a carne limpa. Agora, há onze empresas em todo o mundo trabalhando para substituir a carne da pecuária pelo cultivo direto de carne [em laboratório], em vez de dentro de animais de fazenda.

Este ano, Hampton Creek anunciou seus planos para entrar no mercado de carne limpa!

Para apoiar esse crescimento, a GFI estabeleceu nosso Departamento de Engajamento Internacional, recrutando pessoal para trabalhar na Índia e no Brasil, e mapeando nossa estratégia para a China, França, Holanda, Israel e muito mais!

 

Inovação Acelerada

Este ano, a GFI disponibilizou a inovação em alimentos livres de animais e convocou a comunidade de aspirantes a empreendedores e cientistas que estão construindo o futuro dos alimentos.

Nosso Departamento de Ciência e Tecnologia divulgou relatórios inéditos sobre as indústrias de carnes limpas e à base de vegetais, direcionando inovadores para as áreas de alto impacto para pesquisa, desenvolvimento e formação de empresas.

Produtos inovadores à base de vegetais, como o Impossible Burger, são apenas a ponta do iceberg.

Ao mesmo tempo, lançamos nossa Comunidade GFIdeias, onde os empreendedores podem colaborar para lançar esforços que criem setores robustos de mercado para a agricultura celular e substituições à base de vegetais para produtos de origem animal. Esta comunidade cresceu para mais de 250 membros em todo o mundo que se reúnem para webinares mensais da GFI, coordenados por líderes da indústria que compartilham informações e recursos dentro da nossa plataforma online.

Do lado acadêmico, a GFI financiou pesquisas sobre carnes limpas na Universidade Harvard e transformou nosso curso de carne à base de vegetais em Berkeley em uma área inteira de programas com o apoio do Centro de Empreendedorismo e Tecnologia Sutardja de Berkeley!

Ao fornecer apoio estratégico, a GFI está promovendo o tipo de inovação que extinguirá a pecuária industrial e a substituirá por alternativas melhores – antes que seja tarde demais!

Por favor, rufem os tambores…

 

E os maiores momentos de inovação alimentar de 2017 vão para…

 

Memphis Meats, por debutar os primeiros produtos de aves limpos do mundo! Logo depois, a Memphis Meats também se tornou a primeira empresa de carne limpa a fechar rodadas de financiamentos Séries A, obtendo investimentos da Cargill, DFJ, Jack e Suzy Welch, Bill Gates e Richard Branson.

Boom.

Em segundo lugar está a Hampton Creek, que anunciou sua entrada na indústria de carne limpa e está correndo para trazer um produto ao mercado. A Hampton Creek, em seguida, estreou seu tão esperado Just Scramble, que reproduz exatamente o sabor, a textura e o tempo de cozimento de um ovo de galinha, mas sem colesterol ou celeiros lotados.

Este ano trouxe uma verdadeira inundação de inovações que solidificaram os setores de carne limpa e à base de vegetais como atores de longo prazo na indústria alimentícia internacional, que relegará os produtos de origem animal convencionais à lixeira da história.

Com este dinamismo, 2018 está fadado a ser um ano de novos avanços. Nós antecipamos e vemos ainda mais adesão da indústria da carne, governos em todo o mundo e instituições ambientais. Tudo isso certamente será acompanhado por um aumento ainda maior de P&D para tornar novos produtos tão deliciosos, econômicos e acessíveis, quanto os produtos da pecuária industrial.

Para saber mais sobre o trabalho da GFI em tornar, aqui e agora, uma realidade um melhor futuro dos alimentos, você pode clicar aqui para ler o que nós fazemos! E para apoiar o nosso trabalho, considere dar um presente para um futuro alimentar mais brilhante.

 

Escrito por Emily Byrd. Traduzido por Fernanda Onça. Texto original pode ser visto aqui.