Obrigado por caminharem com a gente!

O ano de 2020 foi desafiador em muitos sentidos. Com a pandemia, tivemos que nos reinventar por completo, seja interrompendo ou adiando atividades já planejadas, seja transformando a maneira como nos relacionamos com as pessoas e com o planeta. Ainda assim, conseguimos manter em nosso horizonte a missão de criar uma nova cadeia de produção de alimentos, muito mais sustentável, segura, justa e saudável. Inclusive, sendo reconhecidos como uma das 4 ONGs mais eficientes do mundo pela Animal Charity Evaluators. Os desafios nos acompanharão no próximo ano, mas não faltam motivos para celebrar. A sua parceria e confiança em nosso trabalho é um deles. Por isso, como forma de agradecer essa trajetória compartilhada, enviamos esse registro com as atividades mais impactantes do nosso trabalho. É uma prestação de contas, mas muito mais do que isso, é a nossa maneira de dizer a você que o nosso sonho segue vivo.

Saiba o que a força do seu apoio nos fez realizar em 2020:

Engajamento Corporativo

Esse ano, a área de Engajamento Corporativo focou seus esforços em dar suporte à expansão da indústria de proteínas alternativas. Para isso, trabalhamos em construir conexões entre fornecedores e clientes em potencial, multiplicando oportunidades de negócio e, assim, acelerar os avanços do setor. Também foram realizadas pesquisas específicas sobre o mercado brasileiro, resultando nos relatórios Indústria de Proteínas Alternativas 2020 e O consumidor brasileiro e o mercado plant-based. Esses estudos foram divulgados gratuitamente, a fim de tornar a informação acessível a todos os interessados nessa indústria. Consolidamos, assim, um arcabouço técnico sólido que qualificou o lançamento de novos produtos. Entre as novidades que chegaram ao mercado, estão o pernil desfiado e a isca de peixe da linha Incrível Seara e a chegada ao Brasil da marca holandesa The Vegetarian Butcher.

“O consumidor brasileiro e o mercado plant-based” foi idealizada para obter um melhor entendimento sobre quem é o consumidor de proteínas alternativas no Brasil, seus hábitos e motivações, e o que ainda busca nesse tipo de produto. Esse estudo só foi possível graças ao envolvimento de onze empresas do setor de ingredientes, alimentos e varejo, que tiveram exclusividade sobre os resultados por seis meses, com divulgação para o público em dezembro. O GFI Brasil foi uma das primeiras organizações do terceiro setor a captar investimento privado para custear uma iniciativa de pesquisa dessa natureza. 

O lançamento dessa pesquisa foi realizado em parceria com a Revista Globo Rural, que produziu 8 reportagens especiais no site do veículo, uma matéria de 8 páginas na revista impressa, uma entrevista para o podcast Palavra do Campo e duas lives no canal do youtube. O retorno de mídia gerado por essa ação resultou em um valor estimado em quase R$2 milhões.

Outra frente de atuação que merece destaque foi o engajamento de investidores do setor, que permitiu a criação da Enfini, um fundo do grupo PWR que investe em startups do setor como Fazenda Futuro, Blue Nalu e Memphis Meats. Esse já é, atualmente, o maior fundo de investimento em proteínas alternativas da América Latina.

A área de Engajamento Corporativo também iniciou o desenvolvimento do Programa Elo, que foca na inclusão do produtor rural no mercado de proteínas alternativas.

Ciência e Tecnologia

O GFI Brasil promoveu o Programa de Incentivo à Pesquisa (Annual Competitive Research Grant Program) em toda a comunidade científica e acadêmica. Em 2020, 34 equipes de pesquisadores brasileiros submeteram propostas ao programa, tornando o Brasil o segundo país em submissões de propostas. Foram selecionados três projetos de duas instituições, EMBRAPA e UNICAMP. 

O financiamento está viabilizando a pesquisa da Dra. Caroline Mellinger Silva (Embrapa Agroindústria de Alimentos), que estuda o desenvolvimento de ingredientes com alta concentração de proteínas a partir do feijão carioca para formulação de produtos análogos à carne; a pesquisa da Dra. Ana Carla Kawazoe Sato (Unicamp), que estuda extração e aplicação de proteínas vegetais obtidas, principalmente, de subprodutos agroindustriais, como as folhas da mandioca; e a pesquisa da Dra. Ana Paula Dionisio (Embrapa Agroindústria Tropical), que estuda o uso da fibra de caju como ingrediente para produtos feitos de plantas.

Em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o GFI Brasil lançou a disciplina “Introdução à Zootecnia Celular”, o primeiro curso brasileiro destinado a formar profissionais capacitados para atuar no mercado da carne cultivada. Foram lançadas duas turmas até o momento, formando 46 alunos da própria universidade e de outras instituições, e também de empresas, como a JBS e a Mantiqueira. 

Além disso, para democratizar o acesso aos estudos em desenvolvimento no setor, o GFI lançou a série de webinars Proteínas Alternativas: Ciência e Tecnologia e realizou palestras sobre proteínas alternativas para uma variedade de empresas e universidades. Ao todo, participaram 2.500 pessoas, das quais 60% eram profissionais da comunidade científica e acadêmica e 40% do setor privado. Os participantes eram de 108 universidades e institutos de pesquisa e 160 empresas diferentes.

Políticas Públicas 

Os avanços também puderam ser percebidos no campo das políticas públicas. Em 2020, nos tornamos membro da Associação Brasileira de Bioinovação (ABBI), anteriormente focada em biocombustíveis e química de renováveis. Nosso trabalho expandiu o escopo da ABBI, passando a incluir a bioeconomia avançada através das proteínas alternativas. Nosso papel é coordenar o Grupo de Trabalho de Proteínas Alternativas e representar as 29 empresas signatárias do Manifesto de Apoio ao Setor de Proteínas Alternativas em discussões relevantes para a agenda do setor junto ao governo, seja no Legislativo, Executivo ou junto aos órgãos regulatórios. O trabalho com a ABBI nos permitiu a aproximação com a Frente Parlamentar da Bioeconomia (cuja secretaria executiva é exercida pela ABBI) e nos propiciou apresentar nossa pauta ao Vice-Presidente da República, Gen. Hamilton Mourão, debatendo o setor de Proteínas Alternativas e sua conexão com a região amazônica.

Nessa mesma linha, firmamos um Acordo de Cooperação com o Governo do Estado do Amazonas, onde somos responsáveis pelo eixo de proteínas alternativas do programa Biópolis, que visa a inserção da agenda de bioeconomia avançada na economia do estado.

Visando subsidiar a construção de um marco regulatório para proteínas alternativas no Brasil, contratamos o ITAL para desenvolver três estudos regulatórios focados no mercado brasileiro, compreendendo os produtos a base de vegetais, os produtos obtidos por cultivo de células e os produtos e ingredientes obtidos através de fermentação de precisão. Antecipando os efeitos destes estudos, com apoio do GFI, foram dados primeiros passos para a regulamentação do segmento de produtos a base de vegetais (plant-based) no Brasil,  discutidos em um workshop sobre mercado, conceitos e tecnologias em desenvolvimento, patrocinado pelo  Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em parceria com a Embrapa. 

Seguimos juntos!

Em 2021 voltaremos renovados e ainda mais fortalecidos. Contamos com você para nos ajudar a construir um sistema de produção de alimentos mais sustentável, seguro, justo e saudável. 

Todo o nosso trabalho é oferecido gratuitamente à sociedade. Por isso, contamos com as doações da nossa família de apoiadores. Para saber como você pode fazer parte deste trabalho transformador, entre em contato com a Gerente de Desenvolvimento do GFI Brasil, Ana Carolina Rossettini – anar@gfi.org