Grãos impulsionam economia e setor de proteínas alternativas

Uma em cada nove pessoas passa fome todos os dias no mundo, segundo a Organização das Nações Unidas. Apesar de o Brasil ser considerado o “celeiro do mundo”, com uma expectativa de atingir 264,8 milhões de toneladas de grãos em 2021, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), estamos longe de atingir um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) no mundo, que é “fome zero” até 2030.

Especialistas brasileiros e internacionais consideram que um dos caminhos para acabar com a fome, gerar renda e salvar o planeta passa pelo aumento do consumo de pulses (grãos secos como feijão, grão de bico, lentilha e ervilha). Seu cultivo demanda menos água e fertilizantes, diminui a emissão de carbono na cadeia de produção, e aumenta o microbioma do solo. Além disso, possuem alto valor nutricional, baixo custo e fácil armazenamento. 

A produção deste tipo de alimento para a segurança alimentar é tão importante que na próxima quarta-feira (10) será comemorado em todo o planeta o Dia Internacional das Pulses. Explorar essa capacidade agrícola de produção de grãos representa um potencial enorme de crescimento, tanto para a economia nacional quanto para o setor de proteínas alternativas, que utiliza as pulses como matéria-prima para muitos de seus produtos. 

Por esse motivo, o The Good Food Institute, instituição sem fins lucrativos que trabalha para acelerar transformações na cadeia de produção de alimentos, financia linhas de pesquisas no mundo todo que propõem soluções e avanços para a cadeia de alimentos, por meio de proteínas alternativas.

Uma das iniciativas a receber esse apoio é a pesquisa liderada pela doutora Caroline Mellinger Silva, da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). Sua pesquisa visa o desenvolvimento de ingredientes com alta concentração de proteínas a partir do feijão para serem utilizados na produção de novos análogos vegetais como hambúrgueres e almôndegas. Em fase de desenvolvimento, espera-se que até o final de 2021 resultados concretos sejam repassados ao setor produtivo.

O Brasil é um dos maiores produtores e consumidores de feijão do mundo, presente no prato de 70% da população diariamente, segundo dados da IBRAFE. Além disso, produz cerca de 40 tipos de feijão. 

De acordo com Caroline, é preciso incentivar a produção do feijão no país. “A proteína de ervilha tem sido cada vez mais usada no desenvolvimento de produtos do tipo cárneo, mas como é importada, torna-se um ingrediente caro para a indústria nacional. O Brasil é um dos maiores produtores de feijão do mundo e tem a possibilidade de ter essa cadeia desenvolvida nos próximos anos, passando de consumidor a produtor de proteínas vegetais. Isso gera emprego e renda, além de prover ingredientes de menor custo para a indústria de alimentos, que poderá desenvolver alimentos mais acessíveis ao consumidor final”, explica a pesquisadora.