10 de fevereiro: Dia Mundial dos Pulses!

Você sabe o que são os pulses?

Pulses são as sementes secas comestíveis de leguminosas. Aqui no Brasil, os pulses mais consumidos são os feijões, a ervilha, a lentilha e o grão-de-bico.

O Brasil é um dos maiores produtores e consumidores globais de feijão:

7 entre cada 10 brasileiros comem feijões todos os dias. Mas, apesar de existirem mais de 40 tipos desse pulse aqui no Brasil, o feijão preto, o fradinho, o caupi, o vermelho, o mungo e o carioca são os que dominam o mercado. O carioca, sozinho, ocupa 50% de toda a área de cultivo do país.

Potencial dos pulses para a saúde global:

Especialistas brasileiros e internacionais consideram que o aumento do consumo de pulses é um dos caminhos para acabar com a fome, gerar renda e garantir a segurança alimentar. Além de serem riquíssimos em proteínas, fibras, vitaminas e minerais, o cultivo dos pulses requer muito menos água e fertilizantes, diminui a emissão de CO2 na cadeia de produção e aumenta o microbioma do solo, além de ser de baixo custo e fácil armazenamento.

…e para o setor das proteínas alternativas:

Os pulses são usados como matéria-prima para muitos dos produtos plant-based, mas a proteína de ervilha tem assumido o protagonismo. Mas, como ela é importada, é um ingrediente caro para a indústria nacional. O Brasil tem uma capacidade agrícola de produção de grãos pujante que, se bem explorada, representa um potencial enorme de crescimento. Além da geração de empregos e renda, o baixo custo dos pulses poderá permitir que a indústria de alimentos desenvolva produtos mais acessíveis para o consumidor final.

Como estamos envolvidos:

O GFI Brasil, em cooperação com o Governo do Mato Grosso, está iniciando um trabalho para promover o uso do feijão brasileiro como matéria-prima para a indústria de produtos plant-based. Essa iniciativa busca não apenas fomentar a agricultura regional e sustentável, como também valorizar esse ingrediente tão popular e tradicional do nosso país.

Leia também

Opinião: Por que não apostamos em insetos como fonte de proteína alternativa

Opinião: Por que não apostamos em insetos como fonte de proteína alternativa

Mercado brasileiro de carnes vegetais ultrapassou a marca de R$ 1 bilhão em 2023

Mercado brasileiro de carnes vegetais ultrapassou a marca de R$ 1 bilhão em 2023