GFI Brasil divulga relatório com as principais conquistas de 2021

Documento apresenta as principais realizações da entidade para tornar o Brasil líder do mercado mundial de proteínas alternativas

O The Good Food Institute Brasil divulga neste mês seu relatório anual, que apresenta as principais conquistas da instituição para transformar a cadeia de produção de alimentos, por meio da promoção do setor de proteínas alternativas.

Entre as realizações do ano que passou, destaque para a adesão das gigantes JBS e BRF às pesquisas de carne cultivada, que contaram com o apoio do GFI. A entidade atuou conectando as empresas com startups, pesquisadores, profissionais do setor e na criação de planos de negócio que viabilizaram a entrada das marcas no setor. A previsão é de que os primeiros produtos das companhias sejam comercializados em 2024. 

A organização também contribuiu, por meio de consultorias, para o lançamento de 30 produtos no mercado das proteínas alternativas no país.

Pesquisa científica

Em 2021, mais de R$ 2 milhões foram investidos no Programa Biomas, que financia pesquisas para viabilizar novos ingredientes e fontes de proteínas a partir de plantas nativas da Amazônia e do Cerrado. Ao todo, são 13 estudos em desenvolvimento envolvendo a castanha-do-Brasil, baru, cupuaçú, babaçu, pequi e macaúba. Além de novos insumos para a indústria brasileira, o Programa também impulsiona a economia local ao conectar a academia com as comunidades estrativistas e coperativas das duas regiões.

Além disso, outros sete projetos de pesquisa brasileiros foram aprovados no Programa Internacional de Incentivo à Pesquisa do GFI. As propostas visam acelerar inovações para os mercados de proteínas vegetais e de carnes cultivadas a partir de células. 

A organização participou ainda de 32 eventos de pesquisa científica e reuniu mais de 8 mil participantes em seus próprios eventos técnico-científicos.

Incentivo à produção

A fim de identificar os maiores desafios no desenvolvimento de produtos vegetais análogos aos produtos de origem animal em relação à qualidade, preço e características sensoriais exigidas pelos consumidores, o GFI Brasil fez uma pesquisa com profissionais da indústria de processamento de ingredientes e produtos vegetais.

A pesquisa “Oportunidades e Desafios na Produção de Produtos Vegetais Análogos aos Produtos Animais” contou com a contribuição de 21 empresas, e identificou sete linhas de pesquisa prioritárias para o avanço do mercado de produtos vegetais no Brasil, as quais envolvem melhoria de processos, busca por novas fontes e matérias-primas, apelo clean-label, melhoria de características nutricionais, entre outras. A partir dessas informações foi possível identificar as áreas de oportunidade de melhoria para o setor produtivo de proteínas alternativas.

A organização também realizou o mapeamento do setor de proteínas alternativas e identificou pelo menos 100 empresas atuando no mercado de proteínas vegetais e cultivadas e contabilizou ao menos 114 novos produtos.

Políticas públicas

O GFI Brasil tem atuado fortemente visando o desenho de um marco regulatório nacional para produtos proteicos alternativos no país. O objetivo é promover a construção de um mercado mais competitivo para produtos feitos de planta, obtidos por fermentação e cultivados a partir de células. 

Para isso, atuou no Congresso Nacional, participação em eventos da Frente Parlamentar da Bioeconomia, além de estabelecer parceria efetiva com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e com a Anvisa. 

Entre as principais contribuições está a produção de três estudos regulatórios sobre fermentação, carne cultivada e proteínas vegetais e a organização de workshops para profissionais do MAPA e da Anvisa.

Para ter acesso ao relatório completo, acesse o link.

Leia também

Amplie seu conhecimento sobre proteínas alternativas com as novas aulas do curso do GFI Brasil

Amplie seu conhecimento sobre proteínas alternativas com as novas aulas do curso do GFI Brasil

GFI Brasil abre chamada para Estudos Direcionados sobre proteínas alternativas

GFI Brasil abre chamada para Estudos Direcionados sobre proteínas alternativas

Opinião: Por que não apostamos em insetos como fonte de proteína alternativa

Opinião: Por que não apostamos em insetos como fonte de proteína alternativa