11 de fevereiro: Dia das Mulheres na Ciência!

Nesse Dia Mundial das Mulheres na Ciência, o GFI Brasil quer parabenizar todas as cientistas, pesquisadoras, professoras, alunas e acadêmicas que trabalham todos os dias para transformar em realidade a nossa missão de criar um sistema alimentar mais justo, seguro e sustentável!

Programa de computação, cromossomos x e y, radioatividade, fissão nuclear, comunicação sem fio, dupla hélice do DNA, trajeto até a lua, matéria escura. O que essas descobertas têm em comum? Todas foram feitas por mulheres cientistas! Em um campo emergente como as proteínas alternativas, é preciso um conhecimento científico profundo pra identificar lacunas e articular soluções tecnológicas que vão não apenas melhorar a oferta de produtos, mas também impactar positivamente o clima, a saúde global, a segurança alimentar e o respeito aos animais. Aqui no Brasil, quem tem assumido esse desafio são, em grande número, as mulheres. E essa realidade se comprova no trabalho do GFI Brasil:

Nos programas de incentivo à pesquisa, 68% das pesquisas aprovadas são lideradas por mulheres. Além disso, nosso time de Ciência e Tecnologia é 100% formado por mulheres, todas pós doutoras, doutoras, mestres ou doutorandas!

“O time de Ciência e Tecnologia do GFI Brasil é formado por 8 incríveis mulheres que participam de grupos de discussão e eventos internacionais desbravando um caminho pioneiro para a ciência das proteínas alternativas no Brasil e no mundo. Tenho muito orgulho delas porque todas possuem maestria na condução dos nossos projetos”, Cristiana Ambiel, gerente de ciência e tecnologia e mestre em tecnologia de alimentos.

“As mulheres formam uma grande parcela da ciência no Brasil e, na área de alimentos, é ainda maior. Nos laboratórios onde trabalhei e nos cursos que fiz, as mulheres sempre foram maioria. Eu trabalho com algas para uso na alimentação humana e, em muitos momentos, me sentia insegura em relação ao meu tema. Mas, desde que entrei no GFI Brasil, tudo se encaixou e sinto que estou exercendo ao máximo minha profissão: hoje desenvolvo trabalhos e projetos que conectam meu trabalho com meu doutorado e ainda geram impacto um positivo no mundo”, Mariana Demarco, analista de Ciência e Tecnologia, mestre e doutoranda em Ciência de Alimentos.

“Hoje, as mulheres cientistas representam a maioria dos doutorandos no Brasil e elas têm atuado em diversas frentes: são professoras e pesquisadoras nas universidades e empresas, têm ganhado destaque divulgando e discutindo ciência nas redes sociais e telejornais, além de muitas outras ações. Apesar dos muitos obstáculos que existem na nossa trajetória enquanto mulheres cientistas, estar em um ambiente cheio de referências femininas, competentes, dedicadas e que são valorizadas é o que nos motiva.  É um privilégio dividir o dia-a-dia, compartilhar os desafios e comemorar as conquistas com elas”, Amanda Leitolis, Especialista em Ciência e Tecnologia e Ph.D em Biologia Celular e Molecular.

Sem essas mulheres, o setor de proteínas alternativas no Brasil não teria tido tantos avanços nos últimos tempos. Agradecemos à todas as cientistas por estarem sempre inovando e criando soluções de alto impacto para o planeta!

Leia também

Participe dos Meetups da Trilha de Capacitação e Formação de Rede para Inovação em Proteínas Alternativas do GFI Brasil

Participe dos Meetups da Trilha de Capacitação e Formação de Rede para Inovação em Proteínas Alternativas do GFI Brasil

Nova pesquisa do GFI Brasil aponta os principais comportamentos e perfis do consumidor de alternativas plant-based no Brasil 

Nova pesquisa do GFI Brasil aponta os principais comportamentos e perfis do consumidor de alternativas plant-based no Brasil 

Amplie seu conhecimento sobre proteínas alternativas com as novas aulas do curso do GFI Brasil

Amplie seu conhecimento sobre proteínas alternativas com as novas aulas do curso do GFI Brasil