GFI celebra sinal verde da FDA para mais uma empresa de carne cultivada

Desta vez, a beneficiada é a empresa GOOD Meat, que já comercializa os seus produtos em Cingapura, onde a carne cultivada já foi regulamentada há dois anos.

Hoje, a Food and Drug Administration (FDA-EUA) finalizou favoravelmente a análise a respeito da segurança dos produtos da GOOD Meat. Esta consulta pré-mercadológica ocorre apenas alguns meses após a FDA dar a mesma aprovação para o frango cultivado da UPSIDE Foods, o primeiro produto de carne cultivada a atingir esse marco nos EUA.  A análise rigorosa da FDA e a obtenção da aprovação sem questionamentos corrobora as informações que vêm sendo levantadas em estudos relacionados à segurança dos produtos de carne cultivada. 

O processo até a liberação para comercialização do produto ainda  tem mais alguns passos que envolvem outras agências, mas essa notícia é um movimento histórico importante que demonstra que o caminho vai continuar se abrindo para que os consumidores possam acessar esses produtos em restaurantes e no varejo nos EUA. 

Essa segunda aprovação indica que os produtos estão chegando ao mercado sem levantar dúvidas quanto à sua segurança (tanto nos métodos de produção quanto em relação ao produto final), o que pode servir de inspiração para outros reguladores, já que ninguém gostaria de ver seu país ficando para trás na tecnologia.

“Estamos muito satisfeitos em ver que o frango cultivado da GOOD Meat – que tem sido apreciado por milhares de clientes em Cingapura nos últimos anos – está agora a caminho de expandir para os EUA. Em meio à demanda crescente por alimentos e à diminuição dos recursos naturais, nunca foi tão urgente aumentar a produção e distribuição de proteínas alternativas em ambos os lados do Pacífico. O sinal verde da FDA desta semana abre as portas para colaboração regulatória e científica entre dois dos principais centros de inovação do mundo (EUA e Cingapura) e leva a carne cultivada um passo mais perto de se tornar um negócio verdadeiramente global”, Mirte Gosker, diretora administrativa do The Good Food Institute APAC.

“As notícias de hoje são mais do que apenas outra decisão regulatória – é a transformação do sistema alimentar em ação. Os consumidores e as gerações futuras merecem comer os alimentos que desejam, mas feitos de forma mais sustentável, preservando nossa terra e água, protegendo o nosso clima e saúde global e garantindo a segurança alimentar.” Bruce Friedrich, presidente do The Good Food Institute.

“Essa sinalização positiva da FDA em relação ao processo produtivo de carne cultivada pode ser lida como um movimento dos Estados Unidos para se posicionar na vanguarda de uma indústria que deverá, nas próximas décadas, movimentar bilhões de dólares e revolucionar a forma como a humanidade se alimenta. É necessário que os agentes públicos brasileiros se atentem e acelerem o processo regulatório também por aqui, de modo que o Brasil não fique para trás e se consolide o quanto antes como um dos principais atores desse emergente mercado global“, Alysson Soares, especialista de Políticas Públicas do GFI Brasil.

Para mais informações, consulte: What the FDA Evaluated During the First Completed Pre-Market Consultation

O que é carne cultivada e como é produzida?

Carne cultivada é a carne animal produzida a partir do cultivo das células animais. O cultivo das células é realizado reproduzindo o processo biológico que ocorre dentro dos animais e a carne cultivada resultante é composta pelos mesmos tipos celulares que fazem parte do tecido muscular animal, por isso pode reproduzir o perfil sensorial e nutricional da  carne bovina, frango, frutos do mar ou de outros produtos de carne produzidos convencionalmente. A partir de uma única célula, multiplicações sucessivas em biorreatores e posterior diferenciação e maturação é possível produzir carne em escala industrial. Para saber mais sobre essa tecnologia consulte os nossos recursos.

Material de apoio/Fontes:

Leia também

Amplie seu conhecimento sobre proteínas alternativas com as novas aulas do curso do GFI Brasil

Amplie seu conhecimento sobre proteínas alternativas com as novas aulas do curso do GFI Brasil

GFI Brasil abre chamada para Estudos Direcionados sobre proteínas alternativas

GFI Brasil abre chamada para Estudos Direcionados sobre proteínas alternativas

Opinião: Por que não apostamos em insetos como fonte de proteína alternativa

Opinião: Por que não apostamos em insetos como fonte de proteína alternativa