Quanto vale a floresta?

Há 29 anos, as Nações Unidas comemoram o dia 22 de maio como o Dia Internacional da Biodiversidade. A data visa aumentar a compreensão e a conscientização sobre a importância da diversidade biológica, além da necessidade de proteção da biodiversidade em todos os ecossistemas. Com o mote “Somos parte da solução”, a data defende a ideia de que a biodiversidade é a resposta para vários desafios do desenvolvimento sustentável.

No Brasil, uma nova espécie da fauna e flora é descoberta ou descrita a cada três dias. Dados levantados pela Associação Brasileira de Bioeconomia (ABBI) confirmam o potencial do país em ser um dos maiores players do setor, considerando o fato da nação concentrar mais de 100 mil espécies animais e cerca de 45 mil de vegetais com mais de 500 milhões de hectares, 340 milhões ainda intactos, representando 20% da biodiversidade global. Motivados pelo potencial e capacidade do Brasil que é berço de uma rica diversidade, o The Good Food Institute realizou um mapeamento dos biomas da Amazônia e Cerrado para identificar produtos do extrativismo vegetal com maior potencial técnico e econômico a serem estudados em mais profundidade para transformá-los em ingredientes para a indústria de proteínas vegetais.

“A biodiversidade brasileira é, ainda, pouco conhecida, negligenciada e subutilizada. Na medida em que não a valorizamos, estamos contribuindo, indiretamente, para a sua perda.”, afirma Katherine de Matos, diretora de Ciência e Tecnologia do GFI Brasil. Em primeira análise, o GFI identificou 20 produtos nativos do extrativismo vegetal na Amazônia e 13 no Cerrado. Destes, a instituição selecionou três produtos de cada bioma para uma pesquisa e estudo mais aprofundados. No Cerrado, os produtos foram a macaúba, o baru e o pequi. Na Amazônia, a castanha-do-brasil, o babaçu e o cupuaçu. 

Para chegar aos resultados econômicos, o GFI considerou o número de comunidades produtoras, volume de produção e maturidade da cadeia produtiva. Para a análise de potencial técnico, foram utilizados critérios como a composição química dos produtos nativos, o potencial tecnológico e aspectos nutricionais. 

“A potencialidade da flora nativa brasileira não está refletida nos supermercados, nas feiras e muito menos na cozinha do brasileiro. Como resultado, a sociedade deixa de aproveitar os benefícios decorrentes dessa riqueza. No caso das espécies de uso alimentício, por exemplo, a sociedade acaba não se beneficiando dos elevados valores nutricionais presentes nas espécies nativas. A natureza é rica, entretanto, essa riqueza precisa e deve ser usada com sabedoria. Essa pode ser a grande saída da humanidade para o futuro”, explica Cristiana Ambiel, gerente de Ciência e Tecnologia do GFI Brasil.

Para se ter uma ideia, estudos realizados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostram que a bioeconomia, modelo econômico e industrial que utiliza matérias-primas regenerativas da biodiversidade em substituição aos recursos fósseis e não renováveis, movimenta cerca de 2 trilhões de euros e gera 22 milhões de empregos no mundo todo. Até 2030, as expectativas são de que as biotecnologias representarão 80% da produção de fármacos, 50% da produção agrícola e 35% dos produtos químicos. Conheça um pouco mais sobre os ingredientes selecionados pelo GFI e suas propriedades: 

  • CASTANHA-DO-BRASIL 

Com significativa produção nacional de cerca de 32.900 toneladas no ano de 2019 segundo o IBGE, a castanha-do-brasil in natura constitui uma favorável fonte proteica (15,60%) e lipídica (61,00%). O seu óleo possui uma boa qualidade nutricional (85% de ácidos graxos insaturados) e apresenta índices de acidez e peróxidos que atendem a legislação brasileira para óleos vegetais comestíveis.

  • BABAÇU

A produção nacional de Babaçu atingiu cerca de 48.700 toneladas no ano de 2019 segundo o IBGE, envolvendo cerca de 37 comunidades produtoras segundo a Conexsus. A amêndoa do babaçu possui 7,25 % de proteína e 66% de lipídeos. O seu óleo apresenta características funcionais interessantes por ser constituído de 83% de ácidos graxos saturados. Este produto, destinado à alimentação humana como suplemento alimentar, e, na medicina popular no tratamento de inflamações, já é produzido e comercializado por algumas comunidades. 

  • CUPUAÇU

Com uma produção de cerca de 787 toneladas no ano de 2017, segundo o IBGE, a polpa do cupuaçu é destinada à produção de diversos alimentos (polpa congelada, sorvete, geleias, etc). Dessa produção, gera-se como resíduo as sementes. A semente do cupuaçu possui 9,4% de proteína e 64,9% de lipídeos. Do óleo extraído dessa semente forma-se uma torta com altos teores de proteína (15,2%), fibras (47,6%) e lipídeos (21,0%). A torta de cupuaçu se mostra como uma alternativa para a elaboração de isolados proteicos devido a sua riqueza de aminoácidos essenciais, tornando-se uma fonte de proteína alternativa.

  • MACAÚBA

Segundo dados do IBGE, a produção nacional de Macaúba atingiu cerca de 1.178 toneladas no ano de 2018. A polpa e amêndoa de macaúba podem ser industrialmente exploradas não só como fonte de óleos vegetais, mas também como fonte de proteínas e carboidratos. Estas propriedades são desejáveis para a formulação de diferentes tipos de alimentos, com destaque para a indústria de panificação e massas e a indústria de produtos cárneos, além da importância na fabricação de suplementos alimentares.

  • BARU

A produção nacional de Baru atingiu cerca de 69,3 toneladas no ano de 2019, segundo o IBGE. A polpa do baru possui 6,0% de proteína; 41,6% de fibras; 3,4% de lipídeos e 22,5% de carboidratos, sendo comercializada, usualmente, na forma de farinha. A amêndoa possui cerca de 30% de proteína; 15% de fibras e 40% de lipídeos, sendo comercializada na forma de amêndoa torrada. O óleo da amêndoa de baru tem elevado grau de insaturação, sendo similar ao óleo de oliva e, portanto, com potencial para ser usado como óleo de cozinha. 

  • PEQUI

O Pequi tem produção nacional de cerca de 27.183 toneladas no ano de 2019. A polpa do pequi possui 3,7% de proteína; 15% de fibras e 33,4% de lipídeos. O óleo extraído da polpa se constitui de 62% de ácidos graxos insaturados. A polpa é comercializada na forma in natura, congelada e em conserva. Apesar de considerada uma proteína de baixa qualidade, é comparável à proteína da farinha de trigo, e pode ser adicionada de misturas para melhorar sua qualidade.

O GFI Brasil incentiva o investimento em pesquisa e desenvolvimento da biodiversidade para encontrar inovações tecnológicas que supram as demandas da indústria de forma sustentável. Dessa forma, promovemos a conservação da floresta em pé, proporcionamos o desenvolvimento de novas cadeias produtivas e a melhoria da qualidade de vida das comunidades locais.

Leia também

Nova pesquisa do GFI Brasil aponta os principais comportamentos e perfis do consumidor de alternativas plant-based no Brasil 

Nova pesquisa do GFI Brasil aponta os principais comportamentos e perfis do consumidor de alternativas plant-based no Brasil 

Amplie seu conhecimento sobre proteínas alternativas com as novas aulas do curso do GFI Brasil

Amplie seu conhecimento sobre proteínas alternativas com as novas aulas do curso do GFI Brasil

GFI Brasil abre chamada para Estudos Direcionados sobre proteínas alternativas

GFI Brasil abre chamada para Estudos Direcionados sobre proteínas alternativas